Assalto a banco em Criciúma: o que polícia já sabe da ação de criminosos que roubaram R$ 80 milhões e causaram terror

Na lista do que as forças de segurança investigam, PF apura possível crime de lavagem do dinheiro roubado. Existe a suspeita de que grupo tenha conexão com facção criminosa que fez outros assaltos a bancos.

Uma semana depois do maior assalto a banco de Santa Catarina, que ocorreu no fim da noite de 30 de novembro e se estendeu durante a madrugada de 1º de dezembro em Criciúma, no Sul, as polícias Militar, Civil e Federal permanecem na busca pelos criminosos. Ao todo, até esta segunda-feira (7) foram localizados mais de R$ 1 milhão e 12 suspeitos foram presos.

Na lista do que as forças de segurança investigam, a PF apura um possível crime de lavagem do dinheiro roubado. A suspeita é de que a quadrilha tenha conexão com uma facção criminosa que já fez outros assaltos a bancos. Um dos presos é suspeito de planejar a fuga do chefe dessa facção.

Segundo o delegado Anselmo Cruz, titular da Delegacia de Roubos e Antissequestro da Diretoria Estadual de Investigações Criminais de Santa Catarina, cerca de R$ 80 milhões foram levados pelo grupo. Parte desse valor foi recuperado no mesmo dia, quando parte do dinheiro ficou espalhado pela rua após o ataque dos criminosos.

Só na rua, a polícia recolheu cerca R$ 300 mil. Além disso, quatro homens foram detidos por furtarem as cédulas abandonadas pelos criminosos. Eles estavam com cerca de R$ 810 mil.

“Em torno de R$ 80 milhões de reais – isso que foi subtraído. Mas ainda assim existe conferência sendo feita e refeita, porque houve muito dinheiro danificado ou dinheiro espalhado”, disse o delegado ao Fantástico.

 

Na quarta-feira (2), dois homens foram presos na BR-116 em São Leopoldo (RS) com R$ 8,1 mil. Em Passo de Torres, horas depois, três homens foram capturados com R$ 49 mil em espécie.

O assalto

 

Conforme a Polícia Civil, cerca de 30 homens encapuzados atuaram no assalto ao cofre da tesouraria regional do Banco do Brasil, que fica anexa a uma agência bancária, no Centro de Criciúma. A ação teve início por volta das 23h50 e durou cerca de duas horas.

O ataque resultou em incêndios, ruas bloqueadas, dinheiro espalhado pelas ruas e reféns como escudos. Um policial militar que entrou em confronto com a quadrilha foi atingido por um tiro e segue internado.

Pistas e locais

 

Na terça-feira, após o grupo deixar Criciúma, a polícia encontrou os carros usados pela quadrilha. Nove dos dez veículos eram blindados e todos eram de luxo. Ao menos três foram emplacados em São Paulo.

Um dia depois, na quarta-feira, a polícia encontrou um galpão utilizado pelos assaltantes na madrugada do crime em Içara, cidade localizada a 9km de Criciúma. A suspeita era de que o local havia sido utilizado para pintar os carros usados pelos criminosos no assalto.

Já na quinta-feira, o Batalhão de Operações Especiais (Bope) achou uma casa em Morrinhos do Sul (RS). Foram encontradas roupas com sangue, munições de fuzil, celulares, chips de celular, tinta, acionador de explosivo e um furgão.

Cronologia do assalto a banco em Criciúma — Foto: Arte G1
Márcio Brito

Márcio Brito

Designer gráfico DaQui agência Digital e colaborador Mundial fm 91.3

Share on facebook
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

Deixe um comentário

SIGA-NOS NAS MÍDIAS SOCIAIS
PUBLICIDADE

Relacionados

Traduzir »
Falar com o Locutor!
Posso Ajudar?
Olá Somos da Mundial FM 91.3, Vamos Interagir?
Enable Notifications    OK No thanks