Raul Monteiro: Jaques Wagner, Rui Costa e o Gambito da Rainha

Principal interessado na vitória ao governo na sucessão estadual de 2022 no PT, o senador Jaques Wagner terá que utilizar ao máximo a sua propalada habilidade política para contornar os obstáculos em seu próprio grupo, onde dizem que hoje o maior entrave às suas aspirações é o governador Rui Costa (PT). A primeira tarefa de Wagner, que não aparenta ser fácil, será convencer o governador a levar o mandato até o final, condição vista como sine qua non para que possa montar o restante do tabuleiro a fim de entrar na disputa com relativa tranquilidade.

Neste sentido, enfrenta um contra-ataque poderoso, representado pela mulher de Rui, Aline Peixoto, maior defensora da candidatura do marido ao Senado, que, caso se confirme, obrigará o gestor a deixar o cargo no prazo de desincompatibilização de nove meses antes do pleito para o vice-governador, João Leão (PP). O outro desafio do senador petista será levar o aliado Otto Alencar (PSD) a ocupar a vice em sua chapa, abrindo mão de concorrer mais uma vez ao Senado, onde seu mandato expirará exatamente daqui a dois anos e do qual não gostaria de arredar o pé.

Dessa forma, Wagner conseguiria abrir espaço na chapa para acomodar Leão na vaga de senador, dificuldade imposta pela determinação de Otto em re-concorrer ao cargo e hoje apontada como principal motivação para um eventual afastamento do PP do grupo. A pouca margem de manobra do líder petista em relação a Leão decorre do fato de ele já ter sido reeleito vice-governador, o que, pela legislação, o impede de disputar de novo a posição ou até indicar à vaga o filho, o deputado federal Cacá Leão, hoje líder nacional do partido na Câmara, mesmo numa chapa adversária à do PT.

O sentimento de exclusão seria também a razão pela qual Leão adotou como estratégia política agradar o governador e lhe assegurar apoio para qualquer aventura eleitoral, inclusive a de uma eventual candidatura à Presidência ou à Vice-Presidência da República, certo de que o governo lhe cairá no colo e de lá só poderá ser removido pelo voto, uma vez que, no cargo, se tornará candidato natural à reeleição. A percepção da estratégia do aliado encrespou os ânimos entre ele e Wagner, mas não ao ponto de o petista pretender descartá-lo, principalmente se sentir abertura ao acordo.

Wagner sabe que um vacilo poderia jogar Leão no campo de, provavelmente, seu maior e único adversário em 2022, ACM Neto (DEM), em cujos braços o filho Cacá tenta, de todas as formas, acomodar o vice. Quanto a Rui Costa, o senador precisaria possivelmente ter que fazer uma jogada do tipo gambito da rainha, em que obrigaria o governador a sacrificar o desejo de eleger-se ao Senado para acomodar-se em seu eventual futuro governo até o momento de poder concorrer à Prefeitura de Salvador, em 2024, o que, mesmo alegando não compreender o porquê, nove entre 10 políticos dizem ser seu maior sonho.

*Artigo do editor Raul Monteiro publicado na edição de hoje da Tribuna

Márcio Brito

Márcio Brito

Designer gráfico DaQui agência Digital e colaborador Mundial fm 91.3

Share on facebook
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

Deixe um comentário

SIGA-NOS NAS MÍDIAS SOCIAIS
PUBLICIDADE

Relacionados

Traduzir »
Falar com o Locutor!
Posso Ajudar?
Olá Somos da Mundial FM 91.3, Vamos Interagir?
Enable Notifications    OK No thanks