Negócio da China: Reino Unido paga US $ 20 milhões por novos testes de coronavírus da China que não funcionam

O preço pedido era alto, a tecnologia não foi comprovada e o dinheiro teve que ser pago antecipadamente

17/04/2020 – 07:35 | Por  

Previous
Next

Diante de uma disputa global por materiais, as autoridades britânicas entraram em um “negócio da China” ao comprar milhões de kits não comprovados de duas empresas chinesas.

As duas empresas chinesas estavam oferecendo uma proposta arriscada: 2 milhões de kits de testes para fazer em casa que deveriam detectar anticorpos para o coronavírus chinês por pelo menos US $ 20 milhões. Era pegar ou largar.

O preço pedido era alto, a tecnologia não foi comprovada e o dinheiro teve que ser pago antecipadamente. E o comprador seria obrigado a recolher as cargas dos kits de teste de uma instalação na China.

As autoridades britânicas aceitaram o acordo, segundo um funcionário sênior envolvido, e prometeram com segurança que os testes estariam disponíveis nas farmácias em menos de duas semanas.

“Tão simples quanto um teste de gravidez”, disse o primeiro-ministro Boris Johnson. “Ele tem o potencial de ser um divisor de águas total.”

No entanto, havia um problema. Os testes não funcionaram.

Considerado insuficientemente preciso por um laboratório da Universidade de Oxford, meio milhão de testes estão acumulando poeira no armazenamento. Outros 1,5 milhões comprados a um preço semelhante de outras fontes também não foram utilizados. O fiasco deixou autoridades britânicas envergonhadas, que estão agora lutando para recuperar pelo menos parte do dinheiro.

“Eles talvez tenham se precipitado um pouco”, disse o professor Peter Openshaw, do Imperial College London, membro do Grupo Consultivo para Ameaças a Vírus Respiratórios Novos e Emergentes do governo britânico. “Há uma enorme pressão sobre os políticos para que digam coisas positivas.”

Um porta-voz do Departamento de Saúde e Assistência Social disse que o governo britânico ordenou o menor número de testes permitido pelos vendedores e que tentaria recuperar o dinheiro, sem especificar como.

Testes de diagnósticos

Na quarta-feira (15), a Grã-Bretanha estava realizando cerca de 20.000 testes de diagnóstico por dia. Tendo atingido a meta anterior de 25.000 testes de diagnóstico por dia até meados de abril, as autoridades agora prometem atingir 100.000 por dia até o final do mês e até 250.000 por dia logo depois.

As autoridades britânicas disseram que começaram mais tarde os testes em massa porque não possuem grandes empresas privadas de testes do tipo encontrado na Alemanha e nos Estados Unidos, capazes de fabricar e executar dezenas de milhares de testes de diagnóstico.

No momento em que a Grã-Bretanha começou a pressionar seriamente para expandir sua capacidade, ela também estava atrás da maior parte da Europa na competição para comprar o suprimento limitado de compostos, tubos e até cotonetes necessários para testes de diagnóstico para determinar uma infecção atual pelo vírus chinês.

Então, quando as ofertas chinesas de testes de anticorpos chegaram, as autoridades sabiam que quase todos os governos do mundo os procuravam também.

“Negócios da China”

As empresas médicas na China, onde o coronavírus chinês surgiu pela primeira vez, exigiam decisões de “sim ou não” de compradores com pagamento integral adiantado em menos de 24 horas.

As duas empresas chinesas que oferecem os testes de anticorpos, AllTest Biotech e Wondfo Biotech, disseram que seus produtos atendem aos padrões de saúde, segurança e meio ambiente estabelecidos pela União Europeia.

As autoridades de saúde pública do Reino Unido revisaram as especificações em papel, enquanto o Ministério das Relações Exteriores britânico despachava apressadamente diplomatas na China para garantir que as empresas existiam e para examinar seus produtos.

Representantes da AllTest e da Wondfo se recusaram a discutir preços.

Dias depois do acordo, autoridades de saúde entusiasmadas em Londres prometeram que os novos testes colocariam a Grã-Bretanha na vanguarda dos esforços internacionais para combater o vírus chinês.

Aparecendo em 25 de março diante de uma comissão parlamentar, Sharon Peacock, uma importante autoridade de saúde pública do Reino Unido que supervisiona doenças infecciosas, afirmou que os testes seriam feitos em casa, exigiriam apenas uma picada e logo estariam disponíveis a um custo mínimo nas farmácias locais ou online na Amazon.

“Testar o teste é uma questão pequena”, assegurou Peacock aos parlamentares. “Eu espero que isso seja feito até o final desta semana.”

Na semana passada, as autoridades de saúde do Reino Unido admitiram que os testes realmente não tiveram êxito.

Depois que surgiram as queixas britânicas sobre os kits de teste, as empresas chinesas culparam autoridades e políticos britânicos por ‘entenderem mal ou exagerarem a utilidade dos testes”.

A empresa chinesa Wondfo disse ao Global Times, um jornal chinês porta-voz do Partido Comunista Chinês do ditador Xi Jinping, que seu produto “era apenas um complemento para pacientes que já haviam testado positivo para o vírus”.

A outra empresa chinesa, a AllTest, afirmou em comunicado em seu site que os testes foram “usados ​​apenas por profissionais”, e não por pacientes em casa.

Testes de anticorpos

O laboratório militar britânico em Porton Down está agora trabalhando em um teste de anticorpos para ajudar as autoridades de saúde pública a avaliar o curso da pandemia.

O governo do Reino Unido espera reformular alguns dos kits fabricados na China armazenados para esse tipo de teste em nível populacional. No entanto, pesquisadores dizem que os testes de bricolagem (serviço doméstico), como o que o governo britânico encomendou à China, são muito mais complicados do que esses testes de laboratório.  Os testes rápidos de anticorpos têm utilidade limitada para os pacientes, permanecendo impróprios para fins clínicos.

A Cancer Research UK, uma organização britânica sem fins lucrativos, está convertendo seus laboratórios de pesquisa para realizar até 2.000 testes por dia. Mas sua capacidade foi limitada a algumas centenas por causa de dificuldades e atrasos na obtenção de materiais escassos, disse o professor Charles Swanton, seu diretor clínico.

Até os cotonetes usados ​​para obter amostras eram escassos, disse ele, e seu laboratório finalmente concordou em pagar a um fornecedor chinês até US $ 6 por cotonete – cerca de 100 vezes o custo típico. “Demorou cerca de 10 dias para obtê-los”, acrescentou Swanton.

A divisão britânica da gigante farmacêutica AstraZeneca começou a instalar no mês passado uma instalação de testes para seus trabalhadores essenciais, disse Mene Pangalos, executivo que supervisiona o projeto. Mas, a pedido do governo britânico, a AstraZeneca e sua empresa farmacêutica rival GlaxoSmithKline se uniram para reformular um laboratório da Universidade de Cambridge para realizar até 30.000 testes de diagnóstico por dia até o início de maio.

A AstraZeneca espera desenvolver um teste de laboratório também para anticorpos, disse Pangalos. Mas isso levará até pelo menos a metade do próximo mês, e um teste em casa, como o governo britânico tentou encomendar, levaria muito mais tempo, acrescentou.

Com informações,The New York Times.

Márcio Brito

Márcio Brito

Designer gráfico DaQui agência Digital e colaborador Mundial fm 91.3

Share on facebook
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

Deixe um comentário

Traduzir »
Falar com o Locutor!
Posso Ajudar?
Olá Somos da Mundial FM 91.3, Vamos Interagir?
Enable Notifications    OK No thanks